Ligue agora

Compulsão alimentar. Saiba mais sobre essa doença

A compulsão alimentar pode estar associada a fatores emocionais e genéticos

O ato de comer exageradamente e sem necessidade é a principal característica da compulsão alimentar. Saiba mais sobre essa doença relacionada a fatores emocionais, genéticos e perda de controle.

É normal comer um pouco a mais em determinadas situações como festas de aniversário ou eventos na empresa, por exemplo. O cenário fica preocupante e se torna um distúrbio alimentar a partir do momento em que, diariamente, existe o descontrole e a pessoa come muito além do que precisa, mesmo estando satisfeita.

Em alguns casos, o indivíduo chega a passar mal por ingerir alta quantidade de alimentos, o que pode estimular outros tipos de transtornos graves como a bulimia, distúrbio que estimula a pessoa a provocar o vômito após se alimentar, em consequência do sentimento de culpa.

Os fatores que podem levar à compulsão alimentar, na maioria dos casos, podem ser emocionais, como: depressão, ansiedade, baixa tolerância à frustração e a autoestima, dificuldade em lidar com perdas ou emoções distintas; e outros transtornos psíquicos. Fatores genéticos também podem ser responsáveis por desencadear essa doença.

O sentimento de frustração é o maior incômodo que a pessoa pode ter após passar por uma crise de compulsão alimentar e, em muitos casos, a pessoa come mais, na tentativa de melhorar a atual situação.

A boa notícia é que a compulsão alimentar tem cura: a reeducação alimentar, aliada ao tratamento com psiquiatra ou psicólogo. O nutricionista pode prescrever uma dieta balanceada, sua primeira lição de casa para aprender a comer de forma saudável, e você poderá complementar o seu novo estilo de vida com uma atividade física.

A reeducação alimentar é fundamental, pois uma dieta rígida, neste caso, pode piorar o quadro do paciente, aumentando sua fome, ansiedade e, consequentemente, sua frustração por perder mais uma vez a luta contra a compulsão alimentar.

É preciso estar atento ao notar que a alimentação é uma válvula de escape quando os fatores emocionais surgem em determinadas situações.

Antes do encaminhamento ao nutricionista, é aconselhável que o paciente passe por uma avaliação com o psiquiatra, que pode ser o responsável pelo tratamento inicial, identificando possíveis gatilhos que incentivam os episódios de compulsão alimentar e ajudando a lidar com sentimentos perturbadores que estimulam este processo.

O papel da família é muito importante. É necessário que entendam que a compulsão alimentar se trata de uma doença e não de “falta de força de vontade de se controlar”. É preciso estimular o tratamento do membro da família e ter o máximo cuidado com comentários que possam vir a colocar todo o tratamento por água abaixo.

Esteja atento ao seu redor e, ao identificar sinais de transtornos alimentares entre familiares ou amigos, ajude.

Viver bem é mais fácil quando cuidamos e somos cuidados.

Matriz
Av. Nove de Julho, 1451
Tel: (16) 3515-4500 - (16) 3516-4500
WhatsApp: (16) 9 9159-7247
2ª a 6ª, das 6h às 18h30 | Sábado, das 6h às 13h
Behring / Nucleus
Av. Nove de Julho, 1410
Tel: (16) 3516-0100
2ª a 6ª, das 7h às 17h | Sábado, das 7h às 12h
Centro Médico RibeirãoShopping
Av. Cel. Fernando F. Leite, 1540 - sala​s​ 24 e 25
Tel: (16) 3515-4550
2ª a 6ª, das 7h às 20h | Sábado, das 7h às 16h
Responsável Técnico: Dra. Maria das Graças Elias de Assis - CRF 8713-SP
Laboratorio Behring de Analises Clinicas Ltda.